Resenha: Vain - Fisher Amelie

14:32

SINOPSE: Se você está procurando uma história sobre uma menina boa, humilde, que foi ferida por alguém em que ela pensou que podia confiar, apenas para descobrir que não é tão vulnerável quanto pensou que era e descobre um lado poderoso de si mesma que se apaixona pelo cara que a ajuda a descobrir quem é, blá, blá, blá... Então você vai odiar a minha história. Porque a minha história não é a que você lê cada vez que dobra a capa do romance mais recente. Não é o conto de "eu posso fazer qualquer coisa, agora que te encontrei/sou mal entendida, mas um dia você vai me encontrar irresistível por causa disso". Por quê? Porque, se eu for honesta com você, sou uma cadela completa. Não há nada legal sobre mim. Eu uso meus amigos, abuso de drogas, sou viciada em sexo e moro em Los Angeles. Sou o pior pesadelo de qualquer amiga e a fantasia de qualquer garoto. Sou Sophie Price... E esta é a história de como eu fui da menina mais invejada do mundo para a menina que ninguém queria ao redor e porque eu não trocaria isso por nada no mundo.

Vaidade é uma aflição debilitante. Você está tão absorto em si mesmo que é impossível amar alguém diferente de si mesmo, deixando-o fraco sem nem sequer notar. É muito triste. Você não tem ideia do que está faltando também. Você nunca vai conhecer o verdadeiro amor e sua vida vai passar por você.

Sim, faz um tempo que ando querendo ler VAIN (Vaidade) e confesso que protelei a coisa até não dá mais, afinal não sou adepto a ler livros digitais – isso me cansa e tira todo o meu bel prazer -, porém como ainda não publicaram o livro aqui no Brasil, das duas uma: ou eu lia ou abandonava a ideia e quer saber do que mais?...

VAIN narra estória de Sophie, garota rica, vaidosa, fútil, boçal e nem ai para o mundo. Mas você acha que a culpa disso tudo é apenas dela?, não. Grande parte disso vem da ausência de seus pais. Diferente de uns e outros, Sophie, apesar de todo o dinheiro e conforto foi criada por empregados (isso vai de advogado à governanta). Sem alguém para impor limites de verdade, Sophie, a linda garota desejada por todos os homens, vive aprontado mil e uma coisas, bebendo e abusando de drogas, pois essa é a única maneira que ela encontrou para continuar... viva; de preencher os espaços vazios dentro dela. 

Apesar de tudo, Sophie tem como ponto de equilíbrio o Spencer, seu melhor amigo, apaixonado por ela e tão adepto a práticas ilícitas quanto a nossa Sophie. Honestamente, Sophie é o espelho do Spencer, assim como Spencer é o espelho da Sophie e assim eles vão seguindo, até que uma noite qualquer Sophie é pega com drogas. É o fim. 

Sem escapatórias, Sophie é obrigada pela justiça a prestar serviço comunitário em Masego, orfanato localizado na Uganda (África) que cuida de crianças que se recusam a seguir LRA (Exercito de Resistência ao Senhor), grupo este responsável por assassinatos, rápidos, mutilações, forçando crianças a participarem de hostilidades e uma vez em que haja recusa, eles cortam membros destas crianças tornando-a um soldado inútil no futuro.

É nesse orfanato que Sophie conhece Ian, voluntário que tem como prioridade ensinar a Sophie tudo o que ele sabe sobre o lugar e etc. E é assim, pouco a pouco, convivendo com  doenças, mortes, miséria que Sophie começa a descobrir coisas de si mesma que ela nunca achou existir e que além do nosso mundo de vidro existe muito mais do que podemos imaginar.

Sim, eu adorei o livro. A Sophie, apesar de ser fútil é uma garota que no primeiro capitulo te pega de jeito. O romance dela com o Ian também é bem leve sem ser enjoado (como de uns e outros new adult por ai) por que a meu ver a autora queria mostrar muito mais do que romance; Amelie quer que levantar questionamentos e te arrancar dessa zona de conforto e é legal quando um autor faz isso com um livro. 

O único momento chato do livro é que eu não consegui acompanhar o momento de transição da Sophie fútil para a Sophie que quer salvar as crianças sem se importar com as consequências e sinceramente, não importa em qual ambiente você é inserido, não acredito que uma pessoa possa mudar de opinião e personalidade assim que colocada em um lugar tão diferente do seu. A autora deveria ter cuidado mais dessa transição, esse foi o seu único pecado.

E por falar em pecado, VAIN faz parte de uma série de livros em que cada titulo será tratado um pecado capital. VAIN o pecado da vaidade é o primeiro titulo da série que, bem, promete! Mal posso esperar para começar a ler GREED (Ganância). 

You Might Also Like

0 comentários

Popular Posts

Like us on Facebook

Flickr Images